O algodão mais sustentável do mundo é nosso

moda, sustentabilidade

Que a indústria têxtil é uma das mais poluentes já sabemos, como já escrevemos aqui. Mesmo o algodão sendo uma fibra natural, ele está incluso na lista de poluentes, – juntamente com o poliéster, uma fibra sintética -, a produção do mesmo está relacionada com diversos produtos químicos e tóxicos. E exatamente por esse motivo veio a onda de materiais têxteis sustentáveis.

Porém, para reverter essa situação o movimento Sou de Algodão foi desenvolvido pela Associação Brasileira de Produtores de Algodão (Abrapa). Seu objetivo é conscientizar e assim incentivar o uso da fibra brasileira, assim promovendo a sustentabilidade e o consumo consciente na moda, com um produto de alto valor agregado.

frase

Para conseguir atingir o status de sustentabilidade do algodão, foram necessários grandes investimentos em pesquisas para inovação, aproveitando as condições naturais do país que são altamente aptas para o cultivo do algodão, visto que mais de 95% das plantações depende apenas da água da chuva para se desenvolver, o que torno o Brasil o campeão mundial em produtividade sem irrigação!

Isso sem falar que nosso país é responsável por 30% da fibra licenciada pela Better Cotton Iniciative (BCI), uma organização suíça de referencia de algodão sustentável. Tanto a organização suíça quanto a Algodão Brasileiro Responsável (ABR), atual juntos aqui, e estabelecem rígidos critérios de avaliação no conceito de sustentabilidade, sendo eles ambiental, social e econômico.

Mas como que o algodão sendo produzido de modo correto e sustentável pode ajudar no consumo consciente? Ai que nós, como consumidores, entramos! As peças feitas do algodão brasileiro são mais duráveis, podendo ter uma vida útil maior. Porém cabe a todos seguir as orientações da etiqueta de composição para conservar sua roupa por mais tempo!

Podemos pensar desse modo tendo roupas atemporais, nunca saem e moda, como um bom jeans, t-shirts e até camisas! Você acaba ajudando o mundo e de quebra ainda fica elegante sempre.

capa2

Looks para o dia dos namorados

moda

Dia 12 de junho é dia dos namorados, momento para comemorar o amor e aproveitar ao lado de quem amamos. Assim como cada mulher tem seu estilo pessoal, cada casal tem seus gostos para celebrar essa data tão romântica. Por isso, fizemos uma seleção de looks para aquelas que gostam de comemorar fazendo programas mais tranquilos e casuais, para as que não dispensam um jantar especial e para quem quer arrasar o coração do par. E em comemoração, no Repassa você tem 12% de desconto com o cupom S2 😉

CASUAL

Apesar de despojada, a combinação de blusinha branca com jeans preto é elegante e certeira em conjunto com uma sandália de salto alto!

look dia dos namorados calça preta blusa branca

  1. Cropped Branco Soltinho
  2. Jeans Preto Zara Destroyed
  3. Sandália Tiras Onça

JANTAR ROMÂNTICO

A blusa de tricô sobreposta à saia rodada preta compõe um look confortável e feminino, com a bota de cano alto a composição fica autêntica e super estilosa!

look dia dos namorados saia e bota

  1. Tricô Dourado Forum
  2. Saia Peplum Courino
  3. Bota Preta Jorge Alex

ARRASA CORAÇÕES

O vestido envelope é sensual e chique, equilibrando o decote profundo com as mangas longas. Para completar o look poderoso, salto alto e clutch preta.

look dia dos namorados vestido envelope

  1. Vestido Oncinha Ágatha
  2. Sandália Art Nouveau
  3. Bolsa Preta H&M

 

 

 

Fashion Revolution Week 2017

bem comum, moda, sustentabilidade

O Fashion Revolution é um movimento global criado em 2014 que procura chamar a atenção da mídia, dos consumidores e da indústria da moda para os problemas sociais e ambientais que esse setor causa. Surgiu quando, em 24 de abril de 2013, um complexo de fábricas em Bangladesh desabou, deixando 1133 trabalhadores mortos e 2500 feridos. A partir de então, esse movimento tem como objetivo aumentar a conscientização sobre o verdadeiro custo da moda e seu impacto em todas as fases do processo de produção e consumo, tanto na esfera ambiental quanto social.

O movimento acredita em uma indústria da moda que valoriza a pessoas, o meio ambiente, a criatividade e o lucro de forma igualitária. Esse conceito, porém, está longe da realidade de milhares de trabalhadores da indústria têxtil – das plantações às fábricas – e dos impactos ambientais que ocorrem deliberadamente. Para tentar mudar essa situação, foi criado o Fashion Revolution Day (Dia da Revolução da Moda), estabelecido dia 24 de abril todo ano, procurando incentivar a discussão desses problemas na produção dos artigos de moda e encontrar soluções sustentáveis.

“Nós queremos que você pergunte: ‘Quem Fez Minhas Roupas?’. Essa ação irá incentivar as pessoas a imaginarem o “fio condutor” do vestuário, passando pelo costureiro até chegar no agricultor que cultiva o algodão que dá origem aos tecidos. Esperamos que o Fashion Revolution Day inicie um processo de descoberta, aumentando a conscientização sobre o fato de que a compra é apenas o último passo de uma longa jornada que envolve centenas de pessoas, realçando a força de trabalho invisível por trás das roupas que vestimos”, explica Orsola de Castro, co-fundadora do movimento. Através das redes socias, o impacto é feito pela hashtag #whomademyclothes (#quemfezminhasroupas), contando com posts de consumidores, produtores e todo tipo de agentes contribuindo.

Com o aumento do engajamento, o Fashion Revolution Day se tornou Fashion Revolution Week (Semana da Revolução da Moda) e expandiu seu alcance pelo mundo, inclusive pelo Brasil. A partir da última segunda-feira, dia 24 de abril, até domingo dia 30, eventos no globo todo aconteceram incluindo palestras, mesas de discussão, atividades em grupo, exibição de documentários e oficinas variadas relacionadas às pautas do movimento. No Brasil, muitas cidades de todos os estados aderiram a essas iniciativas e organizaram eventos para fazer sua parte pelo projeto.

O Fashion Revolution acredita que a única forma de transformar a realidade exploratória e degradante da indústria da moda atual é através da colaboração de toda a cadeia – do agricultor ao consumidor – para que as roupas sejam feitas e consumidas de forma limpa, segura, justa e sustentável. O Repassa acredita e apoia essa ação, incentivando o consumo consciente, a reutilização, a sustentabilidade e a transformação social através do repasse de roupas usadas que seriam descartadas, o que diminui o impacto ambiental e gera recursos para projetos sociais 🙂 Faça sua parte também, questionando seus hábitos de consumo e comprando de forma consciente!